fbpx

Para muitos de nós, nosso desejo mais forte e, ao mesmo tempo, mais vago, é ser mais criativo. Quando pensamos sobre o que isso significaria, chegamos a uma gama assustadoramente fixa de empregos. Podemos ser criativos visualmente e identificamos que gostaríamos de ser pintores, fotógrafos, cineastas, designers ou arquitetos. Ou podemos ser criativos intelectualmente, aspirando a ser romancistas, jornalistas ou acadêmicos. Também podemos ser criativos musicalmente, desejando iniciar uma banda, ou sensorialmente, imaginando abrir um restaurante.

No entanto, o problema é que garantir qualquer um desses trabalhos é, estatisticamente falando, quase impossível. Podemos acabar bloqueados, certos do que queremos ser, mas incapazes de entrar em nosso campo escolhido. Acabamos com o que podemos chamar de fixação, e não apenas um interesse, para sinalizar a mistura de certeza interna e impossibilidade externa.

A solução para tais fixações reside em entender mais profundamente o que realmente nos interessa criativamente. Quanto mais precisamente percebemos o que realmente nos importa, mais descobrimos que nossos interesses criativos e seus prazeres associados existem em uma gama muito mais ampla de ocupações do que estamos acostumados a considerar.

A falta de compreensão do que realmente buscamos e, portanto, uma leitura relativamente óbvia do mercado de trabalho, nos empurra para um túnel muito mais estreito de opções do que seria justificado. Quando compreendemos o que nos atrai em um trabalho criativo, identificamos qualidades que também estão disponíveis em outros tipos de emprego. 

O que realmente amamos não é esse trabalho específico, mas uma série de temas que identificamos lá, geralmente porque esse trabalho era o exemplo mais notório de um repositório deles. E é aí que o problema começou, porque trabalhos muito notórios tendem a atrair muita atenção, ficam sobrescritos e então estão em uma posição para oferecer apenas salários muito modestos.

Vamos pegar o exemplo da pessoa que está fortemente investida na ideia de se tornar jornalista. A palavra “jornalista” se tornou um emblema cobiçado que captura tudo o que eles querem. Desde tenra idade, o trabalho sugeria glamour, estímulo, emoção e dinamismo. No entanto, agora o setor está em declínio terminal e lamentavelmente sobrescrito. 

A recomendação é pausar a busca infrutífera por empregos e estágios não remunerados e perguntar a si mesmo o que pode ser verdadeiramente atraente na emoção intuitiva em torno de ser um jornalista. Quais são os prazeres que realmente estamos buscando aqui e eles existem em algum outro lugar, talvez mais favorável, no mundo do trabalho?

Ao analisar os prazeres envolvidos, começamos a descobrir o que está em oferta. Por exemplo, o jornalismo oferece prazeres como a capacidade de se envolver com questões políticas e sociológicas sérias, analisar políticas, escrever pensamentos com elegância e ser respeitado por seus poderes críticos.

Uma vez esclarecidos tais elementos, fica claro que eles não podem estar unicamente ligados ao setor que chamamos de jornalismo. Essa combinação pode e ocorre em muitos outros lugares. Uma empresa de investimentos financeiros, uma universidade ou uma empresa de petróleo podem precisar dessas mesmas qualidades. 

Esta não é uma tentativa de nos fazer desistir do que realmente queremos. O movimento libertador é ver que o que queremos existe em lugares além daqueles que identificamos inicialmente. Uma vez que entendemos bem o que estamos realmente procurando, descobrimos que, felizmente, um prazer criativo é genérico e pode, portanto, realmente aparecer em muitos lugares diferentes e inicialmente inesperados. 

Um conhecimento cuidadoso do que amamos nos liberta para amar mais amplamente. Essa análise poderia ser feita em relação ao ensino, à política ou a qualquer outro campo que nos atraia. A chave para encontrar um trabalho que amamos nunca é um setor de indústria particular, mas entender e buscar os prazeres criativos que buscamos.

Tenha uma Mente Poderosa: Aumente sua Autoestima e Autoconfiança

Tenha uma Mente Poderosa: Aumente sua Autoestima e Autoconfiança

Bem-vindo a um poderoso exercício de transformação pessoal que está prestes a mudar a maneira como você vê a si mesmo e interage com o mundo. Este guia de afirmações é projetado para fortalecer sua autoconfiança e autoestima, elementos fundamentais para uma vida plena...

Outras publicações:

Tenha uma Mente Poderosa: Aumente sua Autoestima e Autoconfiança

Bem-vindo a um poderoso exercício de transformação pessoal que está prestes a mudar a maneira como você vê a si mesmo e interage com o mundo. Este guia de afirmações é projetado para fortalecer sua autoconfiança e autoestima, elementos fundamentais para uma vida plena...